terça-feira, 11 de julho de 2017

Sitel atinge os 2000 colaboradores em Portugal

A Sitel, empresa líder mundial em serviços de gestão de relações com o cliente, atingiu os 2000 colaboradores esta semana. Este marco demonstra o crescimento sustentado e contínuo que a empresa tem tido ao longo dos últimos dois anos, quer em postos de trabalho quer em novos clientes e nos clientes já existentes.

O crescimento da Sitel nos últimos anos, alavancado no aumento do número de clientes e de projectos, foi fundamental para a empresa chegar aos 2000 colaboradores. Este crescimento também se traduziu em oportunidades de carreira para os colaboradores, que puderam progredir dentro da Sitel, assumindo papéis de chefia e de supervisão.

 
Fruto do seu crescimento contínuo, a Sitel está em recrutamento constante e até ao final deste ano pretende contratar mais 500 colaboradores. Para este processo de recrutamento, a Sitel procura pessoas com fluência em Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Italiano e línguas do Norte da Europa, que tenham experiência em customer service.

Benedita Miranda, Country Manager da Sitel Portugal, afirma que este crescimento “só é possível, em primeiro lugar, pela confiança dos clientes no nosso trabalho e pelo esforço diário de todos os nossos colaboradores, que nos permitem oferecer um serviço de excelência que elevou os standards dentro da indústria.” Quanto às perspectivas para o futuro, a Country Manager da Sitel Portugal não hesita em afirmar que “estamos a crescer de forma contínua e sustentada, o que reforça a nossa credibilidade e cimenta a posição da Sitel como uma das referências na área do atendimento ao cliente. As perspectivas para o futuro são excelentes!”

A Sitel afirma-se como uma empresa com um ambiente multicultural, que aposta na formação dos seus talentos e em oportunidades de carreira. A aposta da Sitel no capital humano é real e actual, uma que vez que a área dos contact centers está em constante mudança e os progressos na tecnologia só permitirão aumentar a oferta de valor da empresa se os colaboradores estiveram aptos a fazer uso desses avanços.

domingo, 9 de julho de 2017

WORTEN APOSTA NA FORMAÇÃO DAS SUAS EQUIPAS

Durante três dias, mais de 750 colaboradores da Worten, vindos de todo o país, participaram na 9.ª edição do Worten Training Campus (WTC), que decorreu no final de maio, em Lisboa. O objetivo passou por formar pessoas para um serviço de excelência, de uma forma inovadora e integrada.


Para Inês de Castro, responsável de Recursos Humanos e Formação da Worten, este tipo de iniciativas é essencial para o fortalecimento de qualquer empresa, na medida em que ajuda a reforçar o espírito interno de equipa e o gosto de “vestirmos, todos os dias, a camisola Worten”.

Em vigor desde 2012, o WTC é uma ferramenta essencial “no crescimento das nossas pessoas”, através de um programa estimulante, adequado ao target. Como refere Inês de Castro, “as nossas equipas são cada vez mais jovens e orientadas para a tecnologia, o que nos exige uma forte capacidade de adaptação para criarmos novos conceitos de formação, sempre com uma boa dose de criatividade e sentido de inovação, duas premissas fundamentais para quem trabalha na Worten.”

O programa da 9.ª edição do WTC incluiu sete horas de formação diárias, com o envolvimento da gestão de topo da empresa, a experimentação de produto e o contacto com as marcas que compõem o portefólio da Worten. Um dos dias foi também dedicado a uma ação conjunta de team building.

O WTC, que acontece duas vezes por ano, dirige-se maioritariamente às equipas de vendas das lojas, para que possam, em última análise, melhorar a competência e a capacidade argumentativa associadas à venda de produtos e serviços, traduzidos, naturalmente, numa maior rentabilidade para o negócio.


Outro dos objetivos deste evento é reforçar a proximidade com os fornecedores, fomentando a partilha de conhecimentos e experiências. Esta última edição do WTC envolveu um total de 26 parceiros, também eles empenhados “em melhorar a força de vendas, capacitando-a com melhores experiências e conteúdos, para podermos servir melhor o cliente final” – quem o diz é Pedro Vieira, Iberia Retail Account Manager da Hewlett-Packard, um dos fornecedores presentes neste WTC.

terça-feira, 4 de julho de 2017

1.º RETRATO DIGITAL DAS PME PORTUGUESAS


O estudo Retrato Digital das PME apresentado hoje  por Jorge Marques Santos, Presidente do IAPMEI, Carlos Gomes e Zélia Fernandes da PSE, no IAPMEI – Ministério da Economia, em Lisboa, é a primeira “Selfie” do tecido empresarial português e permite identificar o estádio de maturidade social e digital das empresas, bem como conhecer as estratégias que cada empresa deve seguir para uma utilização inteligente e eficaz das oportunidades que a economia digital proporciona.
Participaram no estudo 1132 empresas, 693 Diretores e 239 Quadros Superiores, que responderam a um inquérito online realizado entre os meses de abril e maio de 2017.

Em Portugal, 71% das PME consideram importante ter uma estratégia de marketing digital e social mas a adoção digital é ainda embrionária para a maioria das PME.
Os recursos humanos, as competências e capacidades internas, a utilização eficiente dos canais digitais e sociais disponíveis, e a capacidade analítica de medir as iniciativas digitais são as dimensões mais fracas das PME em Portugal.

É no desenvolvimento de campanhas através de canais digitais e sociais que as PME dão os primeiros passos e onde estão numa maior maturidade. E quando o fazem, fazem-no através de email.
Das principais conclusões do estudo pode-se ainda destacar que alinhar a comunicação das empresas para atuarem de forma inteligente na área digital é um grande desafio para muitas PME.
Hoje, mais importante do que ser ou estar “ON”, é preciso saber para quê? Como? Para quem? Com que objetivos? Seguindo que estratégia? Utilizando que ferramentas? É ainda essencial que as empresas compreendam as tendências do negócio e consigam identificar as oportunidades e os riscos que advêm do estádio de maturidade digital em que se encontram. É também fundamental apostar na personalização, conhecer a oferta certa, para o cliente certo, no momento certo, pelo canal certo, criar novas ofertas e identificar novas oportunidades e modelos de negócio.

Tudo isto, refere o estudo, fica mais simples quando se segue uma estratégia de marketing digital e social baseada no conhecimento analítico. Por isso, para a PSE/IAPMEI cada empresa tem um caminho diferente para a transformação digital.


Depois da apresentação do estudo Retrato Digital das PME teve lugar uma Mesa Redonda moderada por Frederico Carvalho que contou com a presença dos oradores Jorge Remondes, Ana Mendes e Cristina Barros e um painel sobre case studies que contou com as intervenções de Joana Oliveira (Paladin) e Ricardo Oliveira (Lemon Jelly).